BLOG

08.04.2015

Ultrassom aperfeiçoa diagnóstico do câncer de tireoide

A tireoide ou tiroide é uma glândula em forma de borboleta (com dois lobos), que fica localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo da região conhecida como Pomo de Adão (ou popularmente, gogó). É uma das maiores glândulas do corpo humano e tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas (no adulto). Os hormônios que ela produz incidem sobre a frequência cardíaca, pressão arterial, temperatura corporal e peso. Já as pequenas glândulas paratireoides, atrás da tireoide, têm a função de controlar os níveis de cálcio no organismo.

Não é incomum alguém apresentar um nódulo na glândula tireoide. Quase uma em cada três pessoas os tem, de acordo com o endocrinologista Dr. Joseph Mathews, certificado em Ultrassonografia do Pescoço pela Associação Americana de Endocrinologistas Clínicos. Um pequeno número desses nódulos tireoidianos, cerca de cinco por cento, evoluirá para um câncer.

Devido ao perigo, o diagnóstico deve ser realizado rapidamente. No entanto, a remoção da tireoide, que tem sido tipicamente adotado na suspeita de câncer, significa pacientes tomando suplementos hormonais para o resto de suas vidas. A cirurgia em si traz riscos porque a região possui nervos importantes que podem impactar na capacidade respiratória do paciente. Na tentativa de amenizar estes perigos, novas ferramentas ultrassonográficas e formações específicas para profissionais têm sido desenvolvidas. É necessário fornecer aos especialistas mais informações e equipamentos precisos para localizar e intervir antes de recorrer ao procedimento cirúrgico.

"O patologista olha para os exames e geralmente diz: 'isso parece benigno", ou "isto se parece com câncer'", explica Dr. Mathews. "Às vezes, eles não podem dizer muito. Está em algum lugar entre estes termos. Para estas células que estão em algum lugar entre, nós podemos realmente fazer o teste genético molecular que nos ajuda a determinar se estamos lidando com câncer. Este procedimento, com o auxilio da ultrassonografia, ainda é novo, mas tem se propagado rapidamente nas práticas clínicas.” Com esses novos recursos, o câncer pode ser identificado mais cedo e os pacientes serem poupados da remoção da tireoide. "O que estamos tentando fazer é evitar pacientes a se submeterem a cirurgias desnecessárias", disse ele.

Texto readaptado e traduzido.
Fonte: journalscene.com



RECEBA NOVIDADES

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os cursos da Meddco