BLOG

26.08.2015

Exame permite rastrear síndromes já no 1º trimestre da gravidez

Dez entre dez futuras mamães temem pela saúde de seus bebês a partir do momento em que descobrem a gravidez. Será que ele vai ter uma boa formação física? Vai apresentar alguma síndrome ou distúrbio? Será que está tudo bem com ele? Felizmente, hoje a tecnologia permite que as dúvidas e anseios maternos sejam tranquilizados logo no primeiro trimestre de gestação. Em alguns casos, mesmo que o bebê seja portador de algum problema de saúde, o diagnóstico precoce é decisivo para que o tratamento comece o quanto antes, às vezes, antes mesmo do bebê nascer. 

Entre outros exames realizados durante toda a gravidez, um dos exames mais importantes é a ultrassonografia morfológica fetal do primeiro trimestre, aquela feita entre 11 semanas e 3 dias até 13 semanas e 6 dias de gestação. O Doppler colorido é um recurso utilizado para medir o fluxo sanguíneo em determinados vasos maternos e/ou fetais. Neste período da gravidez é analisado o fluxo no cordão umbilical e nas artérias uterinas maternas que nutrem a placenta, além do ducto venoso fetal que também é útil na identificação da síndrome de Down e doenças cardíacas. 

Os exames ultrassonográficos morfológicos têm basicamente os mesmos objetivos, independente do período da gravidez. No entanto, o de primeiro trimestre tem um rastreio cromossômico de sensibilidade mais alta, por isso é utilizado para a avaliação do risco de doenças cromossômicas, como Síndrome de Down. 

O exame também é conhecido como ultrassonográfico morfológico fetal de primeiro trimestre, morfológico de primeiro trimestre ou ultrassonografia com medida da translucência nucal.

Indicações

Toda gestante deve realizar o ultrassom morfológico de primeiro e de segundo trimestre. Isso é um direito que lhe é assegurado, independentemente da idade, de quantos filhos ela já teve, se todos são saudáveis ou não ou de qualquer outro fator pessoal ou familiar. 

No primeiro trimestre de gravidez, o ultrassom pode ser feito para: 

- Confirmar a gravidez;
- Verificar o batimento cardíaco fetal;
- Determinar a idade gestacional do bebê e estimar a data provável do parto, caso ainda não tenha sido estabelecida;
- Verificar se é uma gravidez múltipla (gêmeos);
- Examinar placenta, útero, ovários e colo do útero;
- Avaliar o crescimento e desenvolvimento do feto;
- Analisar a morfologia fetal (procurar malformações detectáveis no primeiro trimestre da gravidez);
- Realizar o rastreio de anormalidades cromossômicas, como a Síndrome de Down;
- Avaliar o risco de pré-eclâmpsia. 

Contraindicações 

Não há contraindicação para a realização do USG morfológico e nem para o uso habitual do Doppler. A ultrassonografia é um exame não invasivo que faz parte da rotina do pré-natal, não oferecendo qualquer risco para a paciente e para o bebê.

Texto readaptado.
Fonte: Revista Crescer



RECEBA NOVIDADES

Inscreva-se em nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os cursos da Meddco